Wednesday, January 09, 2008

QUINZE HORAS E VINTE E TRÊS MINUTOS EM PONTO.

Foi exatamente neste horário que ele recebeu a ligação de sua musa amada. Às quinze horas e vinte e sete minutos seu celular quebrava-se contra uma parede descascada e, praticamente ao mesmo instante, ele caia ao chão chorando as dores do amor partido como se fosse uma criança sem seus doces. Chorava sem forças, aniquilado pelas palavras frias da garota que ele endeusava, amava, respirava como se fosse a única razão pela qual valia a pena viver. Trinta e oito dias depois ele ainda soluçava deitado ao chão com um pequeno rio de lágrimas formado e que agora servia de fonte de água salgada onde as formigas criavam suas baleias azuis. Ele levantou-se nos minutos seguintes, não mais do que dois, pegou seu cutelo e saiu de casa se encaminhando para a casa da amada. Em sua cabeça perturbada pelos confusos sentimentos do amor ele planejava a lição que daria nela. Avistou sua amada bebericando café com um amante, aproximou-se dos dois, ergueu o cutelo e decepou três dedos de sua própria mão esquerda em cima da mesa sem derrubar nenhuma gota do café dos amantes surpreendidos. Com o sangue jorrando de sua mão esquerda gargalhava da expressão de horror estampada na face do casal, havia ensinado a lição para eles, tinha plena certeza de que agora sua amada musa voltaria correndo para seu coração e viveriam felizes para todo o sempre.

2 Comments:

Blogger Cristiano Bastos said...

Oi Peter

Sou Cristiano Bastos,

Sou jornalista. Já te eentrevistei uma vez, pra revista Aplauso. Agora tenho um blog (wwww.zuboski.blogspot.com) e vou oublicar essa entrevista lá. Antes, queria ver se dava uma palavra contigo por telefone. É possível?
Meu e-mail: cristianozb@gmail.com
tel: 61-3201-4532

6:30 AM  
Blogger João said...

nossa... fodidamente legal... parabéns mr petter

2:36 PM  

Post a Comment

<< Home